CENTRAL DE ATENDIMENTO: 11 94244 1286 SEGUNDA A SEXTA, DAS 8H ÀS 17H48

Abril azul: mês de conscientização sobre o transtorno do espectro autista (TEA)

índice

O mês de abril é conhecido como “Abril Azul”, dedicado à conscientização sobre o transtorno do espectro autista (TEA), uma condição de desenvolvimento que afeta a comunicação, o comportamento e as habilidades sociais de uma pessoa. O objetivo dessa campanha é aumentar a conscientização sobre o autismo, diminuir o estigma e incentivar o apoio a indivíduos com autismo e suas famílias.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada 160 crianças, uma é diagnosticada com autismo, sendo mais comum em meninos do que em meninas. Embora os sinais do autismo possam ser identificados desde os primeiros meses de vida, o diagnóstico geralmente ocorre entre 2 e 3 anos de idade.

Os sintomas do autismo podem variar de leves a graves e podem afetar a maneira como uma pessoa se comunica, se comporta e se relaciona com os outros. Alguns dos sintomas mais comuns incluem dificuldades de comunicação, comportamentos repetitivos, falta de interesse em brincadeiras sociais e dificuldades de interação social.

Embora o autismo seja um transtorno complexo e ainda não tenha cura, existem muitas opções de tratamento e terapias que podem ajudar a melhorar a qualidade de vida de pessoas com autismo e suas famílias. As terapias comportamentais, por exemplo, podem ajudar a melhorar as habilidades sociais, a comunicação e a autoestima de indivíduos com autismo.

É importante lembrar que cada indivíduo com autismo é único e pode responder de maneira diferente aos tratamentos. Por isso, é essencial que o diagnóstico seja feito por um profissional capacitado e que o tratamento seja personalizado para as necessidades específicas de cada pessoa.

Além de fornecer apoio a indivíduos com autismo e suas famílias, é importante também trabalhar na conscientização e no combate ao estigma em relação ao autismo. Muitas pessoas ainda têm visões equivocadas sobre o autismo e podem discriminar ou marginalizar pessoas com esse transtorno. É importante lembrar que pessoas com autismo têm muito a contribuir para a sociedade e merecem respeito e inclusão.

Aumento de diagnósticos

Embora o diagnóstico de autismo já exista há muitos anos, é nos últimos tempos que temos visto um aumento significativo na quantidade de diagnósticos realizados.

De acordo com dados do Centers for Disease Control and Prevention (CDC), nos Estados Unidos, a taxa de prevalência do autismo era de 1 em 150 crianças em 2000, enquanto em 2020, a taxa de prevalência era de 1 em 54 crianças. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, a estimativa é de que existam cerca de 2 milhões de pessoas com autismo.

Existem várias hipóteses para explicar o aumento no número de diagnósticos de autismo. Uma delas é a melhora na capacidade dos profissionais de saúde em identificar e diagnosticar o autismo. Nos últimos anos, tem havido uma maior conscientização sobre o autismo, tanto na população em geral quanto entre os profissionais de saúde, o que pode ter levado a um aumento na procura por diagnóstico.

Além disso, também tem sido observado um aumento no número de fatores de risco para o autismo. Entre eles, estão o aumento na idade paterna, o uso de medicamentos durante a gestação e a exposição a poluentes ambientais, como o chumbo e o mercúrio.

É importante lembrar que o aumento no número de diagnósticos de autismo não significa que o autismo seja uma condição mais comum hoje em dia do que no passado. Na verdade, o aumento no número de diagnósticos pode ser um reflexo do maior conhecimento e conscientização sobre o autismo, bem como da melhoria na capacidade de diagnosticá-lo.

Para os médicos, é fundamental estar atualizado sobre as últimas pesquisas e descobertas sobre o autismo, a fim de melhor entender e tratar essa condição. 

O diagnóstico de autismo é feito com base na avaliação clínica, e pode incluir a observação do comportamento da pessoa, bem como entrevistas com seus pais ou cuidadores. Uma vez que o diagnóstico é feito, o tratamento deve ser personalizado para as necessidades específicas da pessoa com autismo.

Possíveis causas

Uma das causas mais estudadas do autismo é a genética. Estudos mostram que certas mutações genéticas podem aumentar o risco de desenvolver autismo. No entanto, ainda não há um único gene responsável pelo autismo. Em vez disso, parece que várias mutações genéticas podem contribuir para o desenvolvimento do transtorno.

Outra hipótese é que o autismo possa estar relacionado a problemas no desenvolvimento cerebral. Estudos de imagem cerebral mostram que pessoas com autismo têm diferenças na estrutura e na atividade cerebral em comparação com pessoas sem autismo. 

Alguns pesquisadores sugerem que o autismo pode ser causado por um problema no desenvolvimento do cérebro que ocorre durante a gravidez ou nos primeiros anos de vida.

Fatores ambientais também podem desempenhar um papel no desenvolvimento do autismo. 

Outros também sugerem que a dieta pode desempenhar um papel no desenvolvimento do autismo. Estudos mostram que certos nutrientes, como ácidos graxos ômega-3 e vitamina D, podem ajudar a reduzir o risco de autismo. Por outro lado, uma dieta rica em açúcar e gordura pode aumentar o risco de autismo.

A importância da conscientização

Por isso, o mês de abril e a campanha “Abril Azul” são tão importantes. Eles nos lembram que é preciso trabalhar juntos para aumentar a conscientização sobre o autismo, apoiar indivíduos com autismo e suas famílias e combater o estigma. Ao fazer isso, podemos ajudar a construir uma sociedade mais inclusiva e acolhedora para todos.

Este conteúdo foi útil para você? Então compartilhe com um amigo.

Quer saber mais sobre esse e outros assuntos? Acompanhe os canais da Pólis.

Pólis Cursos

Pólis Cursos

É uma organização fundada e dirigida por professores universitários atuantes há mais de 20 anos em cursos de graduação e de pós-graduação em diversas IES dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, período em que construiram sólida vivência no planejamento e coordenação de cursos.

Leia também...

No cenário contemporâneo, a saúde e segurança no ambiente de trabalho são questões de extrema relevância, pois afetam diretamente o...

No cenário da saúde, muitos profissionais têm sua formação baseada na excelência clínica, porém, nem sempre estão preparados para lidar...

A Prova de Título de Especialista em Medicina do Trabalho, emitida pela Associação Nacional de Medicina do Trabalho (ANAMT), é...

Escolha sua platafroma